O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa assinou ficha de filiação ao PSB na noite desta sexta-feira (6/4), em São Paulo e revela-se o “fato novo” dessa eleição – 

 

“Joaquim Barbosa é um homem público honrado, de trajetória admirável, que vem reforçar e qualificar os quadros do partido. É uma satisfação contar com o ministro no PSB neste momento tão desafiador do nosso país”, afirmou Carlos Siqueira, presidente da legenda.

“Ele deixou sua marca pessoal de firmeza e independência, e, ao colocar em discussão na corte pautas progressistas contribuiu para um significativo avanço civilizatório da sociedade brasileira”, concluiu.

Joaquim Barbosa revela-se o verdadeiro “fato novo” dessa eleição presidencial por nunca ter sido político e vir da mais alta corte da justiça brasileira.

Barbosa reúne todas as condições para disputar a presidência pelo PSB e só depende de articulações que amplie a base de apoio do partido e lhe garanta um tempo mínimo de TV e rádio para a sua campanha. Relativamente bem conhecido pelos brasileiros o ex-ministros pode herdar votos do ex-presidente Lula que se encontra impedido de concorrer e prestes a ser preso neste sábado (7/4). Pesquisas não divulgados pelo partido mostram que estes votos podem vir das classes “C”e “D”, importantes para quem deseja chegar à Presidência.

Trajetória

Ministro do STF de 2003 a 2014, Barbosa foi presidente da corte entre 2012 e 2014 e desempenhou papel de destaque no julgamento da Ação Penal 470.

Doutor e mestre pela Universidade de Paris-II Panthéon-Assas, o ex-ministro é professor licenciado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Em sua longa carreira pública, antes de chegar ao Supremo, atuou quase 20 anos como procurador do Ministério Público Federal.

Natural de Paracatu (MG), Barbosa mudou-se para Brasília nos anos de 1970, concluiu os estudos secundários e ingressou no curso de Direito da Universidade de Brasília.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*