Alexandre de Moraes, nomeado pelo presidente Michel Temer para o Supremo e que já se manifestou a favor do início da execução penal após a segunda instância, é o principal alvo das investidas –

SÃO PAULO – Adversários desde que as movimentações para o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff foram deflagradas, os atuais integrantes do Palácio do Planalto e o PT ensaiam uma aproximação por um motivo em comum, destaca o jornal O Estado de S. Paulo desta sexta-feira (13): tentar barrar a prisão após condenação em segunda instância no STF (Supremo Tribunal Federal).De acordo com o jornal, conversas teriam ocorrido há algumas semanas, antes mesmo de a Corte negar o habeas corpus para o ex-presidente Luiz Inácio Lulada Silva, mas foram intensificadas depois da prisão do petista, condenado na Operação Lava Jato.

E eles já miram um alvo específico: o ministro Alexandre de Moraes, nomeado pelo presidente Michel Temer para o Supremo e que já se manifestou a favor do início da execução penal após a segunda instância. A investida está vinculada à incerteza envolvendo o voto da ministra Rosa Weber. A expectativa é se ela manteria, numa nova análise do assunto, a posição pessoal contra a prisão após segundo grau.

Na última quarta-feira (11), o presidente do PT-SP, Luiz Marinho, pré-candidato ao governopaulista, e o ex-ministro Gilberto Carvalho tiveram reunião com os ministros Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes para falar sobre o julgamento das ações que tratam do tema no Supremo.

Na avaliação de pessoas que estiveram recentemente com Temer, ele tem demonstrado arrependimento com a escolha de Moraes ao Supremo. A crítica é que o ministro continua atuando no STF como chefe da Polícia Federal. Antes de assumir vaga na Corte, ele foi ministro da Justiça. Assim, apesar das tentativas, políticos dizem que é impossível dissuadir Moraes. Um tucano relatou que tentou falar com ele sobre a situação de dois deputados do partido, mas não conseguiu nem iniciar a frase.

Com Infomoney

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*