Esta semana, durante seu discurso na 12ª Cúpula do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), Bolsonaro declarou que iria divulgar os nomes dos países que importam madeira extraída de forma ilegal da Amazônia

20/11/2020

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, pediu ajuda internacional nesta quinta-feira para combater o comércio ilegal de madeira, algo que, segundo ele, é uma das principais causas do desmatamento da Amazônia.

Em sua transmissão semanal ao vivo nas redes sociais, Bolsonaro afirmou que a maior parte da madeira ilegal que sai do Brasil tem a Europa como destino.

“Os países têm que colaborar conosco. A Amazônia é uma imensidão, é maior que toda a Europa ocidental junta. Não é fácil controlá-la. Agora, as críticas são potencializadas. Existe desmatamento ilegal? Existe”, disse o presidente brasileiro.

Esta semana, durante seu discurso na 12ª Cúpula do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), Bolsonaro declarou que iria divulgar os nomes dos países que importam madeira extraída de forma ilegal da Amazônia.

Nesta quinta-feira, disse que o objetivo não é acusar outras nações, mas sim citar as empresas que importam madeira ilegal do Brasil.

“Temos aqui os nomes das empresas que importam isso e a que países pertencem. Não acusaremos o país A, B ou C de estar cometendo um crime, mas sim as empresas desses países”, acrescentou.

Segundo Bolsonaro, “quando conseguirmos chegar a um bom termo nessa questão, diminuirá drasticamente o desmatamento no Brasil. É o que nós queremos”.

Bolsonaro ressaltou que a Polícia Federal conseguiu desenvolver um método que permite rastrear o DNA da madeira amazônica.

Segundo o presidente, além da atuação da PF, a Marinha do Brasil já foi contatada e apoiará as ações. “Toda ela (madeira) sai por via aquaviária. Não sai por estrada, sai por rios. Então, dá pra gente fazer barreiras e conter o deslocamento dessa madeira. A que for legal, passa. A que não for, não passará mais.”

Da Redação com informações da Agência portuguese.xinhuanet.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*